segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Quem diria que um pastor seria um superfã da banda inglesa Iron Maiden?

 

Editoria de arte G1/G1

No último dia de Rock in Rio, neste domingo (22), o Pastor Marcos Motolo esteve na Cidade do Rock. Ele é o recordista brasileiro, segundo o Ranking Brasil, com mais tatuagens sobre a banda feitas no corpo. Ao todo, são 172 desenhos na pele.

"Ouvi Iron Maiden pela primeira vez aos 7 anos, com a música 'Remember tomorrow'. O primeiro disco que vi foi o 'Made in Japan', de 1980. A minha primeira tatuagem eu fiz em 1999. Sou fanático pelos desenhos do Eddie, o mascote da banda", disse o pastor.

Ele é tão fã do Iron Maiden que batizou o filho de Steve Harris, nome do baixista do grupo. "Me transformei em pastor em 2005, quando tive uma visão de uma bola de fogo com o sol de meio-dia. Eu era ateu e, a partir daí, passei a pregar a palavra de Deus", disse Motolo.

Personagem do documentário "Flight 666", filme oficial da banda britânica de heavy metal, feito em 2009, o pastor metaleiro não renega seu passado. Em vez disso, tem usado sua história pessoal para "semear no deserto", ou ainda, "levar a palavra de Deus às pessoas que não estão preocupadas com isso".

Quanto a suas tatuagens conta que chegou a ser abordado por um integrante da Yakuza no Brasil (máfia japonesa) para que ele vendesse a pele. "Eles me acharam em uma convenção de tatuagem em São Paulo e ofereceram US$ 36 milhões. Para isso eu teria de fazer um procedimento cirúrgico muito delicado e acabei desistindo. Também fiquei com medo de ser sequestrado por causa disso. Tem outro detalhe que me fez desistir, parece que há uma legislação que proíbe o comércio de tecido humano", lembrou Motolo.

Autoproclamado fã número 1 do Iron Maiden o pastor morador de São Paulo não vê problemas na mistura do sagrado e do profano. "O interessante é você saber diferenciar cultura de religião. Se a pessoa é evangélica e toca numa banda de rock, ela não precisa parar de tocar. Mesmo que [a banda] fale de Satã. Aquilo é a profissão dela, lá ela é empregada", defendeu o pastor e missionário.  

"Se a pessoa souber curtir o heavy metal ou qualquer coisa, pode ser até funk ou futebol, sem se envolver em coisas que destruam sua saúde, é bom. Os caras do Iron Maiden, por exemplo, são inteligentes. Eles tocam heavy metal, mas quando o show acaba, eles vão tomar um Gatorade ou um suco. É por isso que estão vivos até hoje. Já o Nirvana fez dois anos de sucesso e o vocalista se matou. Por quê? Porque ele não soube diferenciar a vida particular dele da vida em cima do palco", teoriza. 

Para alguns pode até parecer estranho, mas a aproximação entre o rock pesado e os movimentos cristãos não é novidade. Não fosse pelas letras de louvor a Jesus, a banda australiana de white metal Mortification poderia ser facilmente confundida com o Sepultura. O performático Alice Cooper, um dos pioneiros em levar o horror aos palcos, investiu recentemente parte de seu dinheiro na construção de um centro cristão de reabilitação de jovens na cidade de Phoenix, no Arizona.

"A maldição só existe quando você acredita nela", defende Motolo, que entre as marcas no corpo tem inscrições de 666 - "o número da Besta". Diversas versões do monstro Eddie, o mascote do Iron Maiden, e algumas imagens de guerra e mutilação que fariam arrepiar os cabelos de fiéis mais ortodoxos. "Eu não acredito que nada que eu tenha venha me prejudicar de alguma forma. A Bíblia fala que nenhuma condenação existe quando a pessoa encontra Cristo. Por isso que você vê muito ex-matador, ex-traficante ou ex-roqueiro que vira pastor. Semana retrasada um grande líder dos Carecas do Subúrbio [tradicional gangue paulista de neonazistas] voltou para a igreja", afirma. 

Filho de pais religiosos, o pastor diz que nunca havia lido os evangelhos até a sua conversão, em 2005. Como boa parte dos adolescentes brasileiros apaixonados por música nos anos 80, sua bíblia sagrada de então era a revista "Bizz". Foi lá que leu pela primeira vez nomes como Beatles, Raul Seixas, Blitz, RPM e, claro, Iron Maiden. "Eu era criança, mas acabava enrolando meus pais. A 'Bizz' sempre tinha umas coisas mais leves na capa, mas atrás tinha uma página de venda de camisetas com vários desenhos do Iron Maiden, que me chamavam muita atenção. Para mim, o mais bonito era de um single chamado 'Aces high'. Na frente, tinha o Eddie pilotando um avião todo baleado, dilacerado, e atrás estavam outros Eddies, riscados, que já tinham morrido naquele combate", lembra. 

Depois de ler uma entrevista publicada em 1982, Motolo ficou fissurado pela banda. Passou a gastar toda a mesada comprando os discos em vinil do grupo, que ouvia em uma vitrola portátil. "Eu 'tocava' as músicas do Iron Maiden. Pegava o cabo da vassoura e começava a agitar. Hoje o pessoal faz air guitar, eu tocava guitarra com vassoura!", diverte-se. 

Pouco depois, fundou um fã-clube chamado Piece of Maiden, que reunia outros fanáticos pela "donzela de ferro" – um dos apelidos pelo qual o Iron Maiden é conhecido. "Ele era completamente alucinado pela banda, uma coisa meio patológica até", recorda Fernando de Sousa Pinto, ex-editor da revista "Rock Brigade", uma das primeiras a publicar uma reportagem sobre Motolo. "Também fui fã desde a adolescência, mas nunca imaginei fazer nem 10% do que ele fazia pela banda." 

A idolatria incluía até leituras "satânicas", sempre à procura das referências citadas nas músicas do Maiden, do bruxo Aleister Crowley às obras do escritor de horror HP Lovecraft. "Eu entrava em cemitério de noite, via filme de terror, subia na caixa d'água da escola para ver o Sol nascer. Tudo o que era proibido agradava. Mas eram peraltices que não eram agressivas. Eu preferia entrar no cemitério ou subir em caixa d'água do que colocar uma arma na cintura e sair por aí matando. A gente não agredia ninguém. Se viesse a ter algum mal, seria contra nós mesmos", justifica. 

Prova de fé

Ceticismo não é uma novidade na vida do pastor metaleiro. Mesmo entre a comunidade evangélica, ele diz que muitas vezes enfrenta resistência. "Até hoje, de alguma forma, as pessoas me olham com um olho aberto e outro fechado. O pastor Marcos Motolo aceitou Jesus de verdade? Por que ele participa do filme do Iron Maiden? Por que ele dá entrevista sem camisa e mostra as tatuagens? Algumas pessoas talvez não teriam coragem de deixar um novo convertido pregar em grandes conferências. Ficam com medo de acontecer alguma coisa, de eu voltar atrás e de o ministério deles ser envergonhado", reconhece. 

Foto: Reprodução/G1

Fiés descrevem Motolo como uma pessoa "sincera" e "tranquila", crê intensamente na conversão do pastor. Os discos de heavy metal não fazem mais parte da rotina do ex-maidenmaníaco. Sendo que a imagem do Iron Maiden ficou na vida dele por conta de tudo o que ele vivenciou e das tatuagens, são marcas que ficaram e que mostram a modificação do que ele era e do que é agora. "Foi um verdadeiro milagre da parte do Senhor."